quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Enquanto a Noite Não Chega


Sábado fui ao Santander Cultural assistir ao filme Enquanto a Noite Não Chega, inspirado na obra homônima de Josué Guimarães. O filme é de uma poesia e de uma doçura excepcionais, e o amor e as memórias daqueles dois velhinhos me levaram às lágrimas logo nos primeiros minutos, e me fizeram permanecer assim durante toda a sessão. Ao meu lado o Peter chorava, e ao nosso redor todo o cinema se esforçava, inutilmente, pra ocultar os soluços. O filme mais bonito e tocante que eu vi em muito, muito tempo mesmo. E, por duvidar que eu possa fazer justiça a uma coisa tão bela e tão terna, com a devida vênia, copio o texto de apresentação que o diretor do filme, Beto Souza, elaborou, e convido entusiasticamente todos a assistirem.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” discute uma questão que atormenta a todos os seres humanos desde o início de sua existência, o final da vida.

Tratado pelo autor do livro, Josué Guimarães, com humor e reverência, “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA”, o filme, também aborda o tema nessa direção. Se o fim está muito próximo e se tudo em volta está acabando, a única coisa que resta é fazer a travessia com alguns elementos que ainda existem. E, tudo isso, com muita dignidade.

Acredito que este tema não tenha sido tratado ainda com a importância devida na produção cinematográfica brasileira contemporânea. Os idosos, com raras exceções, aparecem nos nossos filmes apenas como coadjuvantes. “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” procura inverter essa situação. Dom Eleutério e Dona Conceição são os protagonistas da sua última e grandiosa aventura.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” pretende divulgar a obra do escritor Josué Guimarães, um dos grandes nomes da literatura brasileira. “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” é um romance cinematográfico como toda sua obra. O homem que se escondeu dentro de um poço (“A Ferro e Fogo”), a torre de uma igreja como última ruína de uma cidade submersa (“Depois do Último Trem”), ou ainda os elementos de uma pequena cidade (“Tambores Silenciosos”) são exemplos de imagens marcantes na sua obra.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” é também uma história de imagens, onde o principal elemento narrativo é a metáfora da morte. Uma cidade em ruínas com apenas três habitantes, dois velhos e um coveiro. Esta situação remete a duas leituras importantes. A mais visível desenvolve a história num primeiro plano, o conflito entre os personagens. A outra possibilidade é sutil, menos explícita, a relação existente entre os três personagens e o ambiente que os envolve. Nesta dimensão do romance de Josué Guimarães eu agrego um novo elemento, a transformação de seu Eleutério em cinegrafista, um homem que registrou sua vida e que, no final, padece pela perda de seus filmes. Assim como a comida que termina, seus filmes rebentam, sua memória desaparece. Da discussão da terceira idade ao enfrentamento da morte, do sentido da vida ao receio da solidão, este filme possibilita uma multiplicidade de leituras. Mas é um elemento inconsciente que o filme transportará a história de Josué Guimarães“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” para o nosso tempo. As perdas dos filmes de seu Eleutério significam o final de uma era de registros físicos, fotográficos. é mais do que uma história. É uma homenagem ao cinema.

Beto Souza
Diretor


3 comentários:

Pedro Machado disse...

É Nenne, realmente este filme é muito bom, mas ao mesmo tempo muuuuito triste =/ Tava me segurando pra não soluçar de tanto chorar na sala xD, enfim, gostei do Post e acho q farei um pro meu tb \o e ó, vou deixar aki um dos meus últimos posts, chamado "Hipocrisia Da Propaganda" e seria mto bom se tu lêsse ;D
http://twixar.com/IhXyK

Nise Toledo disse...

Menina querida, não assisti o filme, ainda.
Mas li o livro e o senti, sentidamente pungida.
Beijos dessa tia que te adora!

Haylla disse...

Te mandei um e-mail minha linda ^^