sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Formatura do Lory


Bom, sexta-feira passada, dia 18 de dezembro de 2009, o Lory se formou. Depois de todas as dúvidas, de todos os medos, de todos os gritos exasperados de "eu nem sei se eu vou me formar", de todas as revisões de última hora e até de alguns trabalhos que eu fiz no lugar dela, depois de todos os tormentos e surtos psicóticos durante o ano, ela pôde fazer coro ao seu professor de sociologia e paraninfo e dizer que, enfim, saiu do colégio - ou do CAP - para entrar na vida. E, apesar de algumas coisas não terem saído conforme o planejado (ou não terem sido planejadas como deveriam ter sido), ou de algumas pessoas se esforçarem ao máximo para serem idiotas inclusive nesse momento, foi realmente gratificante sentar entre o vô e o André nas cadeiras da Reitoria e ver a minha irmãzinha se formar, tão bonita e adulta. Devo confessar que, ao vê-la aparecer, juntamente com seus colegas, ao som de Another Brick In The Wall, eu chorei, e chorei de novo quando ela desfilou solitária com Children of Bodom ao fundo, e foi de puro orgulho. Pois, apesar de participar da corrente que acredita que passar de ano não é fazer nada mais do que a obrigação, admito que é de relevar que, para algumas pessoas e em algumas situações específicas, as obrigações podem se tornar algo difícil de cumprir. Parabéns, manga!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Feliz aniversário, vô.


"Obrigada

Pelos olhos, além da simples visão
Pela boca, que não cala
Pelos ouvidos, que escutam os homens e seu tempo

Pelas idéias, por fazer-me grande

Sonhadora mas não inútil
Pela compreensão
Obrigada."

Pra ti, avô querido, amado e idolatrado, tento desejar um feliz aniversário, torcendo pra que essa data ainda se repita por muitos e muitos anos. A ausência incomoda. Saudade da tua elegância - independente de bombacha ou traje -, dos teus ditos gabrielenses, do teu cheiro e até da tua voz. Mais um ano praticamente sem contato, mas no meu coração permanece eternamente inabalado o sentimento, aquela sensação boa e acalentadora de que nos pertencemos, indiscriminada e absolutamente. Te amo, meu avozinho quase octagenário. Te amo e, plagiando a única que talvez ame mais, agradeço.
Por ti, meu coração.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Lei contra a homofobia


Olha aí, tem uma enquete rolando no site do senado pra ver se o pessoal é a favor ou contra a lei de criminalizacão da homofobia. Estamos perdendo, a maioria está contra a criminalizacão. Agitem isso daê e votem, aonde já se viu uma coisa dessas!

O site do Senado lançou uma enquete sobre o projeto de Lei que pune a homofobia como crime, e estamos PERDENDO. É decepcionante chegar lá e ver que os que votam contra estão ganhando nesse momento com gritantes 55%. Se todo gay, lésbica, simpatizante, fizer sua parte, temos como vencer esta pequena batalha. Esta é uma forma de mostrar aos políticos o como a aprovação desta lei é importante, então, convoque todas as amigas, todos os parentes, todo mundo que você sabe que tem um mínimo de consciência, o mínimo de compaixão, o mínimo de bom senso e peça para votarem o máximo que puderem.

Acesse agora o site do Senado: http://www.senado.gov.br/agencia/default.aspx?mob=0.

Desça a página e procure no lado direito pela opção enquete e vote em SIM, que significa que você é a favor da aprovação da lei.

Não podemos deixar a homofobia vencer mais esta! Vote, divulgue e LUTE, porque isso sim é um verdadeiro problema SEU e de todos nós.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

O Pequeno Príncipe

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."

Cartão de aniversário que chegou um pouco atrasado, mas me fez chorar de felicidade e saudade. Cartão que veio da Char e, tão típico dela, foi postado em cima da hora e por isso me fez terminar a noite do meu aniversário aos prantos, pensando no que eu poderia ter feito pra não receber um 'feliz aniversário' da minha melhor amiga. Mas é claro que não era nada disso.

Cartão que me fez lembrar de nós e perceber o quanto temos uma na outra. E me fez chorar de boba, por não conseguir, o tempo todo, lembrar do que nos prometemos mutuamente: amar e esperar, e, enquanto isso, trabalhar pra que as coisas estejam melhores quando a gente voltar a se encontrar. E que nós estejamos pessoas melhores, mas que sejamos sempre as mesmas.

Veio, mais uma vez, o Pequeno Príncipe alegrar o meu aniversário (mesmo que não na data precisa), ele que me foi sugerido à leitura pelo Luca e emprestado pela Char, e que até hoje, por mais que eu leia e re-leia, me comove. Me comove por verdadeiras as palavras, e lindas, e por me fazer perceber o quão cativa eu sou de determinadas pessoas, e me faz feliz por saber que eu, também, já cativei algumas.

E veio junto um pouco da Char, e um pouco do que eu já deixei impresso nela, pois veio também o Chico, que eu tô sempre cantarolando pelos corredores e que há tanto tempo eu não consigo parar pra escutar, mas que ela levou pra lhe fazer companhia e, talvez, lembrar das muitas coisas que fizemos ao seu som.

'Querendo acreditar que o dia vai raiar / Só porque uma cantiga anunciou'

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

*srta. coração-de-pedra-de-manteiga

SEXTA-FEIRA, 16 DE OUTUBRO DE 2009

À Flora

O príncipe aprende com a raposa que ele é rico de uma rosa, que o cativou. Então ele vai às demais rosas.

- Vós não sois absolutamente iguais a minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes a ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela é agora única no mundo.

E as rosas estavam desapontadas.

- Sois belas, mas vazias, disse ele ainda: Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é, porém mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus sob a redoma. Foi a ela que abriguei com o para vento. Foi dela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas). Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa.

Conhecida esta verdade, a raposa ensina ao principezinho a maior lição que se aprende quando se cativa um outro ser.

- Adeus, disse ele...

- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.

O essencial é invisível para os olhos, repetiu o príncipezinho, a fim de se lembrar.

- Foi o tempo que perdeste com a tua rosa que fez tua rosa tão importante.

- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... Repetiu o príncipezinho, a fim de se lembrar.

- Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...

- Eu sou responsável pela minha rosa... Repetiu o príncipezinho, a fim de se lembrar.

Essa é a maneira que eu aprendi que eu também sou rico de uma rosa. Uma rosa não, uma flor. Uma flor não, uma Flora! Que no meu íntimo é rainha de tanta coisa. Que no meu coração vive. Uma Flora que me cativou, e por quem eu serei eternamente responsável...

Parabéns por mais um ano, Flora da família Valls!

Cheers!
(créditos pro Lu que, muito mais que me desejar feliz aniversário, me fez lembrar como é bom ter um amigo de verdade, dos que não precisa estar por perto pra se fazer presente.)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009