domingo, 22 de janeiro de 2012

21/01/2012 ♥



"E se eu te olhar cem vezes, acredite, em cada uma delas estarei me apaixonando um pouco mais."
#CFA


A cada dia / hora / minuto que passa, mais eu tenho certeza de que é contigo que eu quero ficar. Muito obrigada por fazer desse ano o melhor da minha vida! E que venham os próximos aniversários, um dia a gente chega lá *-*

Eu te amo ♥

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Positivo.

Saldo do feriadão: eu e tu, Gramado, carinho, chocolate com café, xadrez, amor, amor e amor! ♥_♥

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Declaração

Preciso te dizer uma coisa – eu te amo.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Da série "coisas que eu gostaria de ter escrito".

Tenho trabalhado tanto, mas sempre penso em você. Mais de tardezinha que de manhã, mais naqueles dias que parecem poeira assenta e com mais força quando a noite avança. Não são pensamentos escuros, embora noturnos…

Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você. Eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende?

Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro.

Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que eu dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu.

Mas se você tivesse ficado, teria sido diferente?

Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais — por que ir em frente?

Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia — qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.

Tinha terminado, então. Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, sempre sabe exatamente quando termina.

Mas de tudo isso, me ficaram coisas tão boas. Uma lembrança boa de você, uma vontade de cuidar melhor de mim, de ser melhor para mim e para os outros. De não morrer, de não sufocar, de continuar sentindo encantamento por alguma outra pessoa que o futuro trará, porque sempre traz, e então não repetir nenhum comportamento. Ser novo.

Mesmo que a gente se perca, não importa. Que tenha se transformado em passado antes de virar futuro. Mas que seja bom o que vier, para você, para mim. Te escrevo, enfim, me ocorre agora, porque nem você nem eu somos descartáveis.

. . . E eu acho que é por isso que te escrevo, para cuidar de ti, para cuidar de mim – para não querer, violentamente não querer de maneira alguma ficar na sua memória, seu coração, sua cabeça, como uma sombra escura.

Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Enquanto a Noite Não Chega


Sábado fui ao Santander Cultural assistir ao filme Enquanto a Noite Não Chega, inspirado na obra homônima de Josué Guimarães. O filme é de uma poesia e de uma doçura excepcionais, e o amor e as memórias daqueles dois velhinhos me levaram às lágrimas logo nos primeiros minutos, e me fizeram permanecer assim durante toda a sessão. Ao meu lado o Peter chorava, e ao nosso redor todo o cinema se esforçava, inutilmente, pra ocultar os soluços. O filme mais bonito e tocante que eu vi em muito, muito tempo mesmo. E, por duvidar que eu possa fazer justiça a uma coisa tão bela e tão terna, com a devida vênia, copio o texto de apresentação que o diretor do filme, Beto Souza, elaborou, e convido entusiasticamente todos a assistirem.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” discute uma questão que atormenta a todos os seres humanos desde o início de sua existência, o final da vida.

Tratado pelo autor do livro, Josué Guimarães, com humor e reverência, “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA”, o filme, também aborda o tema nessa direção. Se o fim está muito próximo e se tudo em volta está acabando, a única coisa que resta é fazer a travessia com alguns elementos que ainda existem. E, tudo isso, com muita dignidade.

Acredito que este tema não tenha sido tratado ainda com a importância devida na produção cinematográfica brasileira contemporânea. Os idosos, com raras exceções, aparecem nos nossos filmes apenas como coadjuvantes. “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” procura inverter essa situação. Dom Eleutério e Dona Conceição são os protagonistas da sua última e grandiosa aventura.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” pretende divulgar a obra do escritor Josué Guimarães, um dos grandes nomes da literatura brasileira. “ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” é um romance cinematográfico como toda sua obra. O homem que se escondeu dentro de um poço (“A Ferro e Fogo”), a torre de uma igreja como última ruína de uma cidade submersa (“Depois do Último Trem”), ou ainda os elementos de uma pequena cidade (“Tambores Silenciosos”) são exemplos de imagens marcantes na sua obra.

“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” é também uma história de imagens, onde o principal elemento narrativo é a metáfora da morte. Uma cidade em ruínas com apenas três habitantes, dois velhos e um coveiro. Esta situação remete a duas leituras importantes. A mais visível desenvolve a história num primeiro plano, o conflito entre os personagens. A outra possibilidade é sutil, menos explícita, a relação existente entre os três personagens e o ambiente que os envolve. Nesta dimensão do romance de Josué Guimarães eu agrego um novo elemento, a transformação de seu Eleutério em cinegrafista, um homem que registrou sua vida e que, no final, padece pela perda de seus filmes. Assim como a comida que termina, seus filmes rebentam, sua memória desaparece. Da discussão da terceira idade ao enfrentamento da morte, do sentido da vida ao receio da solidão, este filme possibilita uma multiplicidade de leituras. Mas é um elemento inconsciente que o filme transportará a história de Josué Guimarães“ENQUANTO A NOITE NÃO CHEGA” para o nosso tempo. As perdas dos filmes de seu Eleutério significam o final de uma era de registros físicos, fotográficos. é mais do que uma história. É uma homenagem ao cinema.

Beto Souza
Diretor


sábado, 30 de outubro de 2010

Seminários Abertos GCrim





E o debate
Elite da Tropa: Tráfico de Drogas, Milícias e Segurança Pública se dará no dia 08 de agosto, às 19h, no Salão Nobre da Faculdade de Direito (UFRGS). Estará presente o autor dos livros Tropa de Elite e Tropa de Elite 2, Luiz Eduardo Soares, que após o debate fará uma pequena sessão de autógrafos.


A entrada é um quilo de alimento não perecível, e pros que quiserem certificado, o valor é de R$5,00 por um certificado 3 horas/aula.


VAGAS LIMITADAS, inscrições no CAAR ;)


GCrim Cinema



Evento preparatório ao debate sobre os livros Tropa de Elite e Tropa de Elite 2, o GCrim Cinema exibe nessa quinta-feira, dia 04/11, às 11h30min, na Sala Alberto Pasqualini, da Faculdade de Direito (UFRGS), o filme Tropa de Elite, a ser posteriormente debatido pelos professores
Moyses Pinto Neto e José Antônio Gerzson Linck.

Entrada franca e todos convidados ;)